Será possível visitar Roma em dia e meio?

Cheguei a Roma à hora do almoço para uma reunião de trabalho à tarde. Almocei no hotel Quirinale e trabalhei o resto do dia. No final da tarde saí com uma colega e fomos laurear o queijo pelas ruas da cidade. Acabámos a jantar raviolis numa esplanada aquecida de um pequeno restaurante. Dali podemos apreciar o movimento dos turistas e dos romanos, no seu regresso uns aos hotéis, outros a casa, após um dia de trabalho. Demos uma volta pelas lojas que ainda estavam abertas. Aproveitámos para passar pela Praça das Quatro Fontes, que tem a particularidade de ter uma fonte em cada um dos prédios de esquina. A arquitectura tradicional da cidade é fabulosa. Apesar de ser Março a temperatura estava agradável e o céu magnificamente azul, o que tornou o nosso passeio muito especial.

No dia seguinte restava-nos a tarde para dar a volta à cidade, após uma longa segunda reunião de trabalho. Seria possível ver os principais monumentos de Roma em tão poucas horas? Claro que sim, se optarmos pela visita guiada em autocarro turístico. Se estiver sol vai-se no piso ao ar livre, se fizer frio e chuva sentamo-nos confortavelmente no interior. Para tirar fotografias é uma boa opção, já que nos encontramos num ponto elevado e temos uma vista panorâmica sobre a cidade.

O primeiro ponto de interesse foi o célebre Coliseu de Roma, principal símbolo da cidade, construído há quase 2 000 anos. Lembro-me da primeira vez que lá fui. Apesar de apresentar sinais de ruína, provocada pelo tempo, é possível perceber o antigo esplendor do local. E por isso mesmo não me foi difícil ficar sossegada, num dos anéis, e imaginar os prisioneiros na arena perecendo às garras das feras, os gladiadores em combate e o Imperador a admirar o espectáculo do alto da sua tribuna.

Se a história antiga for a sua paixão reserve um tour guiado pelo Coliseu que lhe permitirá ver os subterrâneos e o terceiro anel deste imenso monumento. Se não tiver disponibilidade para a visita guiada pelo menos vá em companhia de um bom livro/guia sobre o local.  

A Piazza Venezia é dominada pelo monumento a Vítor Emanuel II, aquele que foi o primeiro rei da Itália unificada e considerado o pai da pátria italiana. Ouvi comentários a favor e contra este monumento. Os críticos defendem que o monumento louva o rei que encarregou Benito Mussolini de formar governo em 1922 e, mais tarde, de implementar um regime político fascista. Criticam, igualmente, o facto de a sua construção ter implicado a destruição de uma grande área do monte Capitolino, onde se encontravam vestígios medievais. Há, ainda, quem diga, que o monumento é demasiado grande e faustoso.Os romanos chamam-lhe “a máquina de escrever”.

Os apoiantes louvam-lhe o facto de celebrar a vida do primeiro rei da Itália, que unificou a península itálica num único estado em 1861, elogiam a beleza branca do mármore, a monumental escadaria, as enormes colunas, as fontes e as imponentes estátuas do rei e da Deusa Vitória. Passe por lá e aprecie com os seus próprios olhos. Depois, se quiser, deixe aqui um comentário para podermos enriquecer este artigo.

A Basílica de Santa Maria Maior é uma das quatro maiores basílicas de Roma. Foi fundada no século V e dedicada à Virgem Maria. A sua torre do sino é a mais alta da cidade, com 75 metros, abrigando os cinco maiores sinos de Roma.

Não visitei o seu interior, mas se quiser dar uma espreitadela para ver se vale a pena a visita veja aqui algumas fotos da basílica.

Basílica de Santa Maria Maior vista da parte de trás

Castelo Sant’Angeló deve o seu nome ao arcanjo S. Miguel que teria aparecido ao Papa Gregório I durante uma procissão, no ano de 590. Do alto da fortificação, o anjo teria anunciado o fim da epidemia de peste que assolava a cidade.

O castelo situa-se na margem direita do rio Tibre que atravessa a Roma. Foi construído entre  135 e 139. Originalmente pensado para ser o mausoléu da família do Imperador Adriano tornou-se, pouco tempo depois, uma fortificação militar.

Vi-o e fotografei-o ao pôr do sol, num cálido final de dia de Março, quando a natureza pintou o céu de tons rosas e amarelos. Simplesmente encantador.  

Castelo D’Angelo
Ponte de St. Angelo, sobre o rio Tibre

Ao jantar o grupo de trabalho reuniu-se e após a refeição uma colega italiana guiou-nos pelas ruas semi desertas de Roma. Num ambiente íntimo, longe do barulho dos carros, sem as buzinas das Vespas, com a maioria dos turistas e dos romanos recolhidos uns nos hotéis e os outros nas suas casas, podemos visitar calmamente a Fonte de Trevi, passando pela belíssima Praça Navona.

Era quase meia noite, hora da Cinderela, mas nem por um só instante receámos que o nosso conto de fadas fosse chegar ao fim.

Fonte de Trevi

No dia seguinte trabalhámos toda a manhã e no intervalo entre o almoço e a hora de apanhar o avião que nos traria de volta a casa visitámos os Museus do Vaticano. Sendo a única que conhecia o local aconselhei os meus colegas a ir ver as salas de Rafael, a caminho da Capela Sistina. Adoraram os frescos de Rafael e no fim agradeceram a sugestão. Para mim estas salas são uma visita imperdível.  As salas são quatro: a de Constantino, prestando homenagem ao Imperador do mesmo nome que se converteu ao cristianismo; a de Heliodoro, destinada às conferências do Papa; a de Segnatura, que foi primeiro a biblioteca e o escritório privado do Papa Julio II, e mais tarde convertida em sala de estudos e de música por seu sucessor, Leão X; a do Incêndio no Borgo, usada para reuniões pelo Papa Julio II.

Segundo reza a história Raffaello Sanzio ter-se-á inspirado nos frescos de Michelangelo Buonarroti enquanto o via trabalhar na Capela Sistina.

A pintura dos frescos começou em 1508 e levou 16 anos a ficar concluída. Tanto o Papa, quanto Rafael, não chegaram a ver o resultado final, pois faleceram antes do fim dos trabalhos. Felizmente o artista deixou o projecto dos frescos, que servira de base para a conclusão realizada por seus discípulos.

Frescos de Rafael Sanzio

À saída a Basílica de São Pedro estava fechada e só podemos vê-la do exterior. Se quiser visitar o interior conte com duas horas, uma para entrar e outra para ver a igreja que é imensa e ricamente ornamentada.  

Mais um final de dia, desta vez em tons de azul. Foi assim que me despedi de Roma, provando que se pode visitar os principais pontos turísticos numa curta visita de dia e meio. Arrevederci !

⛅ QUANDO VIAJAR PARA ROMA

Desaconselho seriamente a viajar para Roma nos meses de Verão – Julho e Agosto – a menos que goste de fazer sauna ao ar livre e completamente vestida/o. Eu tive essa experiência da primeira vez que lá fui e jurei para nunca mais. Vá na Primavera ou no Outono. As temperaturas são muito agradáveis e há menos turistas. Se for no Inverno já sabe, agasalhe-se porque a temperatura pode descer até zero graus.

😴 ONDE DORMIR

O hotel Quirinale fica perto dos principais pontos de interesse turístico de Roma. A 20 minutos a pé do Coliseu, a 15 minutos a pé da Fonte de Trevi e a 1 200 metros da estação de comboios Roma Termini. Decorado em estilo clássico, ou não fizesse o edifício parte do conjunto arquitectónico da Ópera de Roma, faz lembrar um palacete. As refeições podem ser tomadas na varanda envidraçada com vista para o jardim. Os quartos são espaçosos e o pessoal da recepção fala diversas línguas. Eu fui atendida em português.

Há muitas outras opções em Roma. Veja aqui o que é que lhe agrada mais: Hotéis em Roma.

🍴 SENTADA À MESA

Sou fã da comida italiana. Não de pizzas, mas dos carpachios de peixe ou carne, de esparguete com chocos (preto e delicioso), ou com mexilhões, ou com ameijoas, osso buco à Milanesa, linguini com camarão. Uma focaccia morna e fininha é de lamber os dedos. No departamento dos doces destaco o tiramisú e a panna cotta.

Desta última viagem a Roma trouxe a referência do restaurante Casa Bleve/

Experimente também o restaurante do hotel Artemide. Dizem-me que a comida é boa e a vista espectacular.

🚍 TRANSPORTES

Como grande cidade europeia que é Roma oferece vários tipos de transportes públicos. De autocarro, metro ou eléctrico vai encontrar um meio de chegar aonde quer. Também pode chamar um táxi. Saiba que o transito na cidade é algo caótico e que o condutor italiano conduz, digamos, de uma maneira muito fervorosa. Tenha atenção ao atravessar na passadeira. Mesmo com o semáforo verde para peões nada impede que um carro passe, rasando os peões.

A estação de comboios Roma Termini faz a ligação ao aeroporto de Fiumicino.

🌞 METEOROLOGIA EM ROMA

Tempo em Roma

💡 DICAS

CÓDIGO DE VESTUÁRIO – Se for mulher e quiser entrar na Basílica de São Pedro assegure-se que leva saia comprida e os ombros tapados, caso contrário não a deixam entrar. Se for homem, nada de bermudas, calções ou camisolas sem mangas.

EVITAR FILAS – Em todas as alturas do ano se vêm filas para entrar no Vaticano. Se as quiser evitar aconselho a comprar antecipadamente o bilhete de entrada via internet: www.vaticantickets.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s