Gentes da Índia

Família posando para a foto no Forte de Amber, Jaipur

A Índia é diversidade. É o país de centenas de etnias e grupos tribais, fruto de uma complexidade cultural que se desenvolveu ao longo de séculos de migrações e casamentos mistos. Uma em cada seis pessoas no Mundo vive aqui, um país com 1.37 biliões de almas.

Em 15 imagens proponho mostrar um pouco da Índia religiosa, étnica e social.

A Índia é um mosaico de religiões, com 80% da população a praticar o hinduismo, 13% de muçulmanos 2,3% de católicos, 1,9% de sikhs, 0.8% de budistas e 0.4% de jainistas. As pessoas que afirmam não professar nenhuma religião representam 0.9% da população.

Hindus tomando o banho da manhã no Ganges, em Varanasi
Através deste ritual o crente purifica-se dos seus pecados ao mergulhar nas águas sagradas do rio

Principal religião da Índia, o Hinduísmo é um tipo de união de crenças com estilos de vida. A sua origem remonta a cerca de 3 000 a.C na antiga cultura Védica. É actualmente a terceira maior religião do mundo em número de seguidores. Em muitos templos hindus no norte da Índia a entrada é franqueada aos não crentes. Em Varanasi, entrei no Templo Vermelho e participei na cerimónia de oferenda à Deusa Durga. Em Goa não tive a mesma experiência porque apenas se pode visitar a parte exterior dos templos.

Templo Vermelho – Varanasi

A vida dos indianos é fortemente marcada pela religião e muitas das celebrações e manifestações culturais são de origem religiosa. Todos os dias, várias vezes ao dia, os crentes, qualquer que seja o credo que professam, fazem uma pausa para rezar aos seus deuses ou para fazer uma oferenda. Nos diversos altares existentes na rua, nos templos, nas suas casas.

Crentes a entrar para a mesquita à hora da última oração do dia
Fatehpur Sikri

O islamismo chegou à Índia por volta do século VII, trazido pelos comerciantes árabes muçulmanos. A primeira mesquita da Índia – Cheraman Juma Masjid – foi construída em 629 (durante a vida do profeta Maomé), em Kerala. Em 711, os Califas da Dinastia Omíada, sediada em Damasco, nomearam um jovem de 17 anos da cidade de Taif para controlar Sindh, uma terra rica à beira do rio Indus, na região que é hoje o Paquistão e que à época integrava a Índia. Era o início da expansão do islamismo no país. Nos dias de hoje, tal como no passado, é no Norte da Índia que se encontram as maiores comunidades muçulmanas.

Apenas os professantes do islamismo são autorizados a entrar na mesquita.

A Índia é um Estado Laico e aceita várias religiões e várias formas de viver a religiosidade. No caso particular das mulheres, quase todas elas usam a cabeça tapada, muitas vezes com um simples lenço, outras com um véu, independentemente da sua religião ou posição social. Mulheres há, em muito menor número, que cobrem completamente a cabeça e o rosto, em sinal de profunda convicção islâmica.

Padres na igreja de S. Francisco de Assis, Velha Goa

Crê-se que foi em 52 d.C. que o cristianismo chegou à Índia pela mão de São Tomás. Em Kodungallur, no Estado indiano de Kerala, baptizou alguns nobres da região e ali se ergueram as Sete Igrejas dedicadas a este apóstolo de Jesus.

É interessante ver aos fins de semanas as famílias hindus a visitarem esta igreja.

Sikhs no mercado de especiarias de Deli

A religião sikh foi fundada na Índia no século XV, em ruptura com o hinduísmo e, em grande parte, com o sistema de castas. Em punjabi o termo sikh significa “discípulo forte e tenaz”. A doutrina básica do sikhismo consiste na crença em um único Deus e nos ensinamentos dos Dez Gurus do sikhismo. Como curiosidade saiba-se que o termo Guru resulta da combinação de Gu e Ru. Gu significa escuridão e Ru significa luz. Os sikhs entendem, assim, que guru significa “a Luz que dissipa as trevas”.

Os sikhs são maioritariamente oriundos de famílias de comerciantes.

Não é pacífico qual terá sido o local de nascimento de Sidarta, aquele que o mundo actual conhece pelo nome de Buda. Muitos reconhecem ter sido em Lumbini, uma localidade no Nepal, já perto da fronteira com a Índia. Este será o primeiro lugar sagrado da vida de Buda. Os três outros estão associados ao momento da auto-revelação de Buda (em Bodh Gaia, no Nordeste da Índia), ao seu primeiro discurso (Sarnath, no Norte da Índia) e, finalmente, ao local onde morreu com 80 anos e onde se proclama que tenha ascendido ao nirvana (Kusinara, igualmente no Norte da Índia). A presença do budismo na Índia remonta, assim, aos séculos 566 a 486 a.C., há mais de 2 500 anos.

Não é raro na Índia encontrar quer muçulmanos quer hindus que adoptam para si valores e práticas do budismo. Talvez porque o budismo não seja uma religião mas uma filosofia de vida, que integra fortes valores humanistas.

Vamos dar um salto para a parte social. Falando de profissões há que dizer que muitas são executadas na rua. Uma delas é a de tirador de cera de ouvidos. É comum verem-se também barbeiros, passadores de roupa e costureiros.

Deli – Mercado de Especiarias

Os vendedores de comida estão por todo o lado e vendem as mais variadas especialidades.

Encantador de Serpentes – Deli

As classes sociais mais baixas da Índia têm imaginação fértil no que toca a criar actividades que lhe podem trazer algum dinheiro. Encantadores de serpentes e tocadores de flauta, são alguns dos artistas que se vêm pelas ruas em toda a Índia.

Tocador de instrumento musical – Bombaim

Sem cair em grandes generalizações pode dizer-se que as populações do centro-norte e do noroeste da Índia têm afinidades étnicas com os europeus e os indo-europeus da Europa, da região do Cáucaso e do sudoeste e centro da Ásia.

Condutor de elefantes – Forte de Amber – Jaipur

No nordeste da Índia e na região oeste dos Himalaias a maioria da população encontra as suas raízes nos povos do Tibete e da Birmânia. Embora a Índia tenha uma grande diversidade étnica, as estatísticas agregam as populações em três grandes grupos: as pessoas de origem indo-ariana (72%), os dravidianos (25%) e as de origem tibetana ou outra (3%).

Menina em Varanasi que me pediu para lhe tirar uma foto

Na Índia falam-se mais de 19 500 línguas maternas, segundo o último Censo, realizado em 2018 e muitos dos sub-grupos étnicos estão identificados com base na língua que falam.

Família fazendo um pic nic na Velha Goa

Independentemente da língua e da religião de cada um a partilha e a vida em família alargada é comum às gentes da Índia.

2 thoughts on “Gentes da Índia

Deixe uma Resposta para laurearoqueijo Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s